Vasos de Honra

terça-feira, 3 de outubro de 2017

DEDICANDO JOÃO 14 PARA CRIANÇAS



Ao estudar a Bíblia, é necessário que os versículos indicados sejam lidos.
No primeiro versículo, observemos a conjugação do verbo “crer”. “Credes”, 2ª pessoa do plural (vós), do Presente Simples. É uma simples observação: Vocês crêem em Deus. Apesar de ser necessário, não é suficiente, porque não comunica a salvação a ninguém. Por isso, Cristo acrescentou: “Crede também em mim”. O verbo, agora, está no Imperativo. Vocês devem, é absolutamente necessário que creiam em mim. Temos que crer e aceitar tudo o que Ele ensina e o que Ele nos oferece.

O primeiro versículo começa dizendo: “Não se turbe o vosso coração”. Por que não precisamos ficar turbados ou inquietados em nosso coração? Porque cremos em tudo o que Ele promete e em tudo o que Ele ensina para que a nossa vida seja mais feliz.

Veja o que Cristo está dizendo para nós neste capítulo:

*Existe um lugar espaçoso no céu para o povo de Deus, V.2.

*Esse lugar está sendo preparado especialmente para as pessoas que crêem, de coração, em Jesus Cristo, V.2.

*No devido momento, quando tivermos que deixar este mundo, seremos recebidos por Jesus Cristo, pois Ele deseja a nossa presença, V.3.

*Se nós temos dúvidas quanto à maneira como seremos recebidos por Ele, basta crer que Ele se responsabiliza para conduzir-nos ao Pai, V.6.

*Por que podemos ter tanta confiança em Jesus Cristo? Porque Ele e o Pai são iguais. Outro nome que Ele tem é “Emanuel, que quer dizer: Deus conosco”. V. 9-10 e Mt. 1:23.

*Ele nos convida a orar e a pedir bênçãos, verifique V.14.

*Embora Jesus não esteja conosco pessoalmente, Ele prometeu que não nos deixaria como órfãos, sem amparo, pois voltaria na Pessoa do Espírito Santo, V.18.

*O Espírito Santo é o outro Consolador, aquele que tomou o lugar de Cristo. Os cristãos de hoje são mais felizes porque o Espírito Santo estará conosco para sempre, para cuidar de nós na vida cristã, V.16.

*É o Espírito Santo que nos ajuda a entender as verdades da Bíblia Sagrada, V.26.

*Obediência a Jesus Cristo é a prova do nosso amor a Ele, V.23.

*Qual é a recompensa de crer em Jesus Cristo? Veja V.27.

*Qual é o sentido da frase: “Vou e volto para junto de vós”? Cristo teria de, primeiro, morrer pelos nossos pecados, ser ressuscitado dentre os mortos e “ir”. Vou para o céu. Mas Ele acrescentou: “Volto para junto de vós”, o que acontecerá na sua Segunda Vinda. Ele voltará a fim de receber o seu povo e levá-lo para o céu, onde estará com Ele para sempre, V.28 com 1 Tes.4: 17-18.


Preparado por Rev. Ivan G. G. Ross

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

A PRÁTICA DO AMOR NA IGREJA


Rev. Ivan G. G. Ross

Leitura Bíblica: 1 Tessalonicenses 1:2-10
Introdução. Se alguém nos pedisse para detalhar as ênfases mais fortes em nossa Igreja, quais seriam os destaques mais evidentes? Ao escrever as suas Cartas à Igreja dos Tessalonicenses, o Ap. Paulo salientou três características, dizendo: “Damos, sempre,  graças a Deus por todos vós em nossas orações e, sem cessar, recordando-nos, diante do nosso Deus e Pai, da operosidade da vossa , da abnegação do vosso amor e da firmeza da vossa esperança em nosso Senhor Jesus Cristo, reconhecendo, irmãos, amados de Deus, a vossa eleição”. A existência dessas três verdades evidenciaram a realidade de sua eleição. O Apóstolo acrescentou a respeito dessa igreja: “Entretanto, devemos sempre dar graças a Deus por vós, irmãos amados pelo Senhor, porque Deus vos escolheu desde o princípio para a salvação, pela santificação do Espírito e fé na verdade”, (2 Ts. 2:13). Notemos que a salvação e a santificação sempre agem juntas; a santificação é a evidência inconfundível da salvação, e, sem esse sinal, ninguém verá o Senhor” (Hb. 12:14).

Infelizmente, as observações do Apóstolo não foram tão positivas acerca das Igrejas dos Coríntios e dos Gálatas. Em Corinto, houve uma falta de amor, divisões, heresias e imoralidade, (1Co. 1:10 -13; 5:1). É triste observar que, quando os membros da Igreja estão divididos entre si, todo tipo de pecado começa a entrar, maculando a santificação que deve caracterizar o povo de Deus. O pecado nunca entra na pessoa sozinho; ele é sempre acompanhado por “sete espíritos, piores do que ele” (Mt. 12:43-45). Em Galácia, a falta de amor reinava entre os membros, deixando-os a morderem e devorarem uns aos outros, assim, destruindo-se mutuamente, (Gl. 5:15). E, juntamente com a falta de amor, dissensões, heresias e imoralidades entraram (Gl. 3:1-5, 19-21). Mas, na Igreja dos tessalonicenses, o amor a Deus e ao próximo caracterizaram os membros; e não há registro direto de heresias e nem de imoralidades. Portanto, meditaremos sobre o poder e a prática do amor na vida da Igreja, observando que a palavra “amor” é usada nove vezes nas duas Cartas aos Tessalonicenses. Essa frequência me despertou para preparar esta mensagem.

1. O Amor a Deus. Se nós amamos a Deus, seremos operosos na fé. O Ap. Paulo escreveu: “Damos sempre graças a Deus por todos vós, mencionando-vos em nossas orações e, sem cessar, recordando-nos, diante de nosso Deus e Pai, da operosidade da vossa fé”. Essa operosidade se refere, principalmente, à salvação e à sua manifestação. O Apóstolo escreveu: “Nós, porém, que somos do dia, sejamos sóbrios, revestindo-nos da couraça da fé e do amor e tomando como capacete a esperança da salvação”. (1Ts. 5:8). A operosidade da nossa fé se manifestará mediante a maneira em que usarmos a fé, o amor e a esperança da salvação. Esses três elementos são, basicamente, uma armadura que nos protegerá contra os males que caracterizam as obras das trevas, tal como uma dormência entorpecente, uma insensibilidade diante dos valores espirituais.

a) Como usar a fé. O Apóstolo fala de pessoas que “não acolheram o amor da verdade, para serem salvos” (2Ts. 2:10). Pela fé, temos uma confiança fundamentada sobre as verdades da Bíblia Sagrada. Cremos que “nestes últimos dias (Deus) nos falou pelo Filho”. E, o que Ele tem falado é fielmente registrado nas Escrituras Sagradas. Pela fé, cremos “que nenhuma profecia da Escrituras provém de particular elucidação; porque nunca jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana; entretanto, homens santos falaram da parte de Deus, movidos pelo Espírito Santo” (2Pe. 1:21-22). Nós não somos iguais àqueles que não acolheram o amor da verdade, antes, amamos cada parte das Escrituras: as ameaças, as promessas e os convites. Pela fé, os antigos conseguiram acreditar em tudo o que Deus falara, e obtiveram promessas, (Hb. 11:33). Não sejamos como os incrédulos, antes, usemos a nossa fé para viver segundo os ensinos das Escrituras e obteremos a salvação da nossa vida por meio de Jesus Cristo.

b) Como usar o amor. Dentro desse contexto, o  amor a Deus nos constrangerá para que não sejamos “cúmplices nas obras infrutíferas das trevas” (Ef. 5:11). Por que José não se entregou à tentação? Porque seu amor a Deus o fez exclamar: “Como, pois, cometeria eu tamanha maldade e pecaria contra Deus?” (Gn. 39:9). Cristo disse:  “Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama, e aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu  também o amarei e me manifestarei a ele” (Jo. 14:21). Quando amamos, somos constrangidos a obedecer a tudo o que Deus ordena. Temos a mesma disposição do nosso Senhor e Salvador, que confessou: “A minha comida consiste em fazer a vontade daquele que me enviou e a realizar a sua obra” (Jo. 4:34). Fazendo assim, estamos usando o amor para obedecer a Deus.

c) Como usar a esperança da salvação. Embora aquele que crê em Jesus Cristo tenha a salvação, devemos reconsiderar o que aconteceu no ato de receber essa salvação: fomos redimidos da culpa, poluição e castigo do pecado, ou seja, livramento da  ira de Deus que paira sobre o pecado, o qual será revelado no Dia do Juízo, (1Ts. 1:10). Devemos reconhecer a realidade da redenção, porque é  fruto do sacrifício substitutivo de Jesus Cristo. Enfim, a esperança da salvação é resumida nestas palavras: “Porque Deus não nos destinou para ira, mas para alcançar a salvação, mediante o nosso Senhor Jesus Cristo, que morreu por nós, para que, quer vigiemos, quer durmamos, vivamos em união com Ele. Consolai-vos, pois, uns aos outros e edificai-vos reciprocamente como também estais fazendo”. (1Ts. 5:9-10). Usemos a nossa esperança da salvação para ajudar os novos na fé. O Ap. Paulo, comentando sobre o agrupamento  dessas três palavras, disse: “Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três; porém, o maior deles, é o amor” (1Co.13:13).

2. O Amor ao Irmão. Se nós realmente amamos o nosso irmão, temos de praticar a abnegação. O Apóstolo escreveu: “Dou sempre graças a Deus por todos vós, mencionando-vos diante de Deus e Pai (...) da abnegação do vosso amor”. Abnegação significa: desprendimento do interesse próprio. Portanto, para amar o nosso irmão, não podemos ser egoístas, isto é, alguém que trata só de seus próprios interesses. Um dos grandes problemas dos nossos dias é o excesso de egoísmo; cada um querendo impor a sua própria vontade. O ensino da Bíblia é este: “Nada façais por partidarismo ou vanglória, mas por humildade, considerando cada um os outros superiores a si mesmo. Não tenha cada um em vista o que é propriamente seu, senão também cada qual o que é dos outros”. Em seguida, o texto nos ensina como Cristo praticou essa abnegação: “Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus, antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até a morte e morte de cruz” (Fp. 2:5-8). O Ap. Paulo podia confessar: “Eu de boa vontade me gastarei e ainda me deixarei gastar em prol da vossa alma. Se mais vos amo, serei menos amado?” (2Co. 12:15). Não podemos ser limitados em nossos próprios afetos. A exortação é esta: “Dilatai-vos também vós” (2Co. 6:12-13). Temos que abrir o nosso coração, bem como a nossa mão e o nosso tempo, a fim de demonstrar que amamos de verdade. “Nisto conhecemos o amor: que Cristo deu a sua vida por nós; e devemos dar a nossa vida pelos irmãos. Ora, aquele que possuir recursos deste mundo, e vir a seu irmão padecer necessidade e fechar-lhe o coração, como pode permanecer nele o amor de Deus? Filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas de fato e de verdade” (1Jo. 3:16-18).

A Igreja dos tessalonicenses foi renomada por seu amor aos irmãos. O Apóstolo registrou em favor deles: “No tocante ao amor fraternal, não há necessidade de que eu vos escreva, porquanto vós mesmos estais por Deus instruídos que deveis  amar uns aos outros; e, na verdade, estais praticando isso mesmo para com todos os irmãos em  toda a Macedônia. Contudo, vos exortamos, irmãos, a progredirdes cada vez mais” (1Ts. 4:9-10). O amor é como se fosse um organismo vivo, que precisa ser praticado a fim de crescer cada vez mais. O Ap. Pedro escreveu com o mesmo sentimento: “Acima de tudo, porém, tende amor intenso uns para com os outros, porque o amor cobre multidão de pecados” (1Pe. 4:8). Talvez, podemos estar falhando em muitas coisas, porém, a falta de amor não pode ser inocentada. Por quê? Porque a falta de amor põe em dúvida a realidade da nossa experiência cristã. “Amados, amemo-nos uns aos outros, porque o amor procede de Deus; e todo aquele que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus, pois Deus é amor”. (1Jo. 4:7-8).

3. O Amor às Missões. Se nós amamos as missões, temos que estar bem alicerçados nos princípios espirituais que se encontram nas Escrituras Sagradas. O Apóstolo escreveu: “Damos sempre graças a Deus por  todos vós, mencionando-vos em nossas orações e, sem cessar, recordando-nos diante do nosso Deus e Pai (...) da firmeza da vossa esperança em nosso Senhor Jesus Cristo”. Essa esperança se refere mais à disposição espiritual desses recém-convertidos em Tessalônica, no meio de tribulações. Esses cristãos tinham deixado o judaísmo a fim de viver de acordo com a “esperança em nosso Senhor Jesus Cristo”. Por  isso, seus compatriotas desencadearam uma perseguição cruel contra eles. O Apóstolo registrou esta denúncia contra eles: “Os quais não somente mataram o Senhor Jesus e os profetas, como também nos perseguiram, e não agradam a Deus, e são adversários de todos os homens, a ponto de nos impedirem de falar aos gentios para que estes sejam salvos” (1Ts. 2:14-16). O Ap. Paulo foi apedrejado pelos judeus, “dando-o por morto”, mas o Senhor o levantou, (At. 14:19-20). Nesse contexto, podemos entender a alegria do Apóstolo, quando disse: ”Damos, sempre, graças a Deus por vós (...) e da firmeza da vossa esperança em  nosso Senhor Jesus Cristo”. Nele, “temos por âncora da alma, segura e firme e que penetra além do véu” (Hb. 6:19). Nós, que nunca enfrentamos uma perseguição dessa natureza, devemos usar a nossa liberdade para nos envolver no trabalho de Missões, orando, contribuindo, ou, até indo, porque os campos “já branquejam para a ceifa” (Jo. 4:35). Apesar das perseguições, os tessalonicenses não negligenciaram esse aspecto da vida cristã.

Qual é a característica básica daquele que anuncia as boas novas do evangelho? Entre outras qualidades, é indispensável que tenha uma firmeza na sua esperança em Jesus Cristo. Ele tem que ter experimentado, em sua própria vida, uma obra regeneradora e renovadora pelo Espírito Santo, evidenciada mediante uma vida santa e irrepreensível. Em outras palavras, deve ser uma nova criatura em Cristo Jesus, (2Co. 5:17). É a obra do Espírito Santo que lhe dá esta esperança, uma confiança imperturbável na eficácia da obra redentora de Jesus Cristo, no qual há o perdão de todos os pecados e a certeza da vida eterna. Qual é a obra principal daquele que anuncia as boas novas do evangelho? Os tessalonicenses se tornaram um modelo para todos os crentes na Macedônia e na Acaia. “Porque de vós repercutiu a palavra, não só na Macedônia e Acaia, mas também por toda parte se divulgou a vossa fé para com Deus, a tal ponto de não termos necessidade de acrescentar coisa alguma; pois eles mesmos, no tocante a nós, proclamam que repercussão teve o nosso ingresso no vosso  meio, e como, deixando os ídolos, vos convertestes a Deus para servirdes o Deus vivo e verdadeiro e para aguardardes dos céus o seu Filho, a quem ressuscitou dentre os mortos, Jesus, que nos livra da ira vindoura”. Percebemos a intensidade do trabalho realizado pelos tessalonicenses. Qual é a maneira certa para recepcionar esses homens que trabalham incessantemente na seara do Senhor? “Agora, vos rogamos, irmãos, que acateis com apreço os que trabalham entre vós e que vos presidem no Senhor e vos admoestam; e que tenhais com amor em máxima consideração, por causa do trabalho que realizam. Vivei em paz uns com os outros” (1Ts. 5:12-13).

Conclusão: Terminamos com a pergunta que fizemos no início da meditação. Se alguém nos pedisse para detalhar as ênfases mais fortes em nossa Igreja, quais seriam os destaques mais evidentes? Deixamos a resposta para a consciência de cada um, lembrando que a nossa resposta, em parte, será uma revelação da nossa própria espiritualidade, pois nós somos a Igreja. A Igreja de Tessalônica foi reconhecida pela operosidade da sua fé, pela abnegação de seu amor; e pela firmeza da sua esperança em Jesus Cristo. E, com essas características, os tessalonicenses se tornaram modelo para as Igrejas em toda a região. Em nossa Igreja, bem como em nossa própria vida, que tipo de repercussão estamos produzindo? Que Deus nos ajude para que alcancemos um testemunho santo e irrepreensível mediante o nosso modo de viver no meio das pessoas ao nosso redor.
Amém.  


O CUIDADO DO SENHOR



Versículo Bíblico: “De Benjamim disse: O Amado do Senhor habitará seguro com ele; todo dia o Senhor o protegerá, e ele descansará nos seus braços”, Deut. 33:12. 

Introdução: Quem são esses “amados do Senhor”? Não pode ser cada pessoa nascida de mulher, pelo simples fato de existir duas classes, bem dessemelhantes. A diferença é tal como o branco e o preto, o dia e a noite. Não existe uma classe neutra, nem clara e nem escura. A diferença é moral e espiritual. Alguns amam e servem a Deus, enquanto outros o rejeitam e servem os seus próprios interesses. 
Esses amados do Senhor são designados como: “raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamarem as virtudes daquele que os chamou das trevas para a sua maravilhosa luz; os que antes, não eram povo, mas, agora, são povo de Deus; que não tinham alcançado misericórdia, mas, agora, alcançaram misericórdia”, 1 Pe.2:9-10. A diferença entre as duas classes é um fato bíblico, porque os amados do Senhor são aqueles que foram separados “antes da fundação do mundo, para serem santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor os predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade”,  Ef.1:4-5. A prova desse beneplácito tem este selo: “E, porque vós sois filhos, enviou Deus ao nosso coração o Espírito de seu Filho, que clama: Aba Pai!”. Esse clamor é o nosso reconhecimento da nossa adoção e a paternidade de Deus. Ele é o nosso Pai que está nos céus. Somos os amados do Senhor por causa da mediação de Jesus Cristo e o que Ele fez, a fim de sermos adotados como filhos. Sem Ele, estaríamos ainda “mortos em nossos delitos e pecados”, Ef.2:1. Agora, vamos meditar sobre o cuidado que o Senhor tem para com esse povo amado.

1.Um Cuidado Seleto: “O amado do Senhor habitará seguro com ele”. Esse cuidado é seleto, é especial. Embora o cuidado do Senhor se estenda para toda a  humanidade pela graça comum, no sentido de que Deus “não deixou ficar sem testemunho de si mesmo, fazendo o bem, dando-vos bênçãos do céu, chuvas e estações frutíferas, enchendo o vosso coração de fartura e alegria”, At.14:17. Contudo, no meio dessas bênçãos comuns, não se encontram as dádivas da salvação; elas pertencem, exclusivamente, aos amados do Senhor, aos que crêem no seu nome.

O amado do Senhor recebe um cuidado seleto, um cuidado diferenciado. Ele é  guardado pelo poder de Deus, mediante a fé, para a salvação preparada para revelar-se no último tempo, 1Pe.1:15. O descrente não tem essa distinção, antes,  ele é abandonado para andar “segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar, do espírito que agora atua nos filhos da desobediência”,  Ef.2:2. Mas o amado do Senhor não é abençoado sem a sua participação consciente; ele tem que estar “com o Senhor”, em plena comunhão espiritual com Ele. Mas, como ele pode alcançar essa comunhão? Cristo disse : “Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu também o amarei e me manifestarei a ele”, Jo.14:21. E, como podemos conhecer esses mandamentos que revelam o amor do Pai e do seu Filho Jesus Cristo? A resposta é uma só: através da leitura diária das Escrituras Sagradas e com a oração entregando a nossa  vida aos cuidados do Senhor. O salmista pedia:  “Desvenda os meus olhos, para que eu contemple as maravilhas da tua lei”, acrescentando: “Com efeito, os teus testemunhos são o meu prazer, são os meus conselheiros”, Sl.119:18,24. Dessa maneira, a benção do Senhor repousará sobre nós, os seus amados; e, cresceremos na graça e no conhecimento do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, 2 Pe.3:18.

O que mais podemos dizer sobre a preferência que os amados do Senhor experimentam? Certamente, a evidência da nossa salvação eterna não pode ser esquecida. E, devemos lembrar que ela é inteiramente devida à graça e misericórdia de Deus: “Entretanto, devemos sempre dar graças a Deus por vós, irmãos amados pelo Senhor, porque  Deus vos escolheu desde o princípio para a salvação, pela santificação e fé na verdade, para que também vos chamou mediante o nosso evangelho, para alcançardes a glória do nosso Senhor Jesus Cristo”, 2 Ts. 2:13-14. Sim, devemos sempre dar graças ao Senhor, porque somos aqueles amados que ele mesmo escolheu. Que possamos andar de modo digno da nossa vocação, Ef. 4:1. 

2. Um Cuidado Seguro: O amado do Senhor tem esta promessa: “Todo o dia o Senhor o protegerá.” Qual é a extensão dessa proteção? Não apenas cada dia, mas, sim, durante o dia inteiro. Precisamos desse cuidado constante, porque podemos ser surpreendidos a qualquer momento numa intriga espiritual que tem reflexos morais. Mas a promessa é esta: “E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus”, Fp.4:7 Precisamos dessa proteção a cada instante! Muitas das nossas lutas espirituais não são com poderes externos, antes, acontecem dentro do nosso coração e da nossa mente; desejos conflituosos. Qual é a natureza dessas intrigas espirituais? Devemos sempre nos lembrar deste alerta: “Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar”. Mas ele tem que ser resistido, 1Pe.5:7-8. Como? Eis a resposta: “Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo, porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim, contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes.” Essa armadura é composta de oito itens essenciais: 1° Cingindo-nos com as verdades das Escrituras Sagradas. Temos que conhecê-las e praticar os seus ensinos. 2° Vestindo-nos da justiça de Jesus Cristo, que Ele adquiriu por nós mediante a sua obediência imaculada à lei de Deus. 3° O nosso procedimento deve ser caracterizado com o evangelho da paz, paz com Deus e com o nosso próximo. 4° Embraçando a fé na providência de Deus, através da qual podemos apagar todos os dardos inflamados do Maligno; dardos que carregam o veneno de pensamentos pecaminosos. 5° A importância da certeza da nossa salvação, podendo dizer: “E, de fato, somos filhos de Deus”, 1Jo 3:1, uma convicção que alcançamos quando estamos alicerçados na obra redentora de Jesus Cristo. 6° Temos que saber como usar a espada do Espírito, que é a Palavra de Deus. Satanás não tem como resistir quando o refutamos com: “ Assim diz o Senhor”, ou, “Está escrito”. Cristo venceu declarando seu compromisso com as Escrituras, Mt. 4:1-11. 7° A oração e a súplica, direcionadas pelo Espírito Santo, que nos faz pedir segundo a vontade de Deus. Dessa maneira, seremos ouvidos, 1 Jo5:14. 8° Vigiando com perseverança, cuidando da nossa vida espiritual e a dos nossos irmãos, com as nossas súplicas. É importante estudar Efésios 6:10-18.

Temos que reconhecer o poder dessas intrigas espirituais. Temos que resistir à tendência de ficarmos frios e desanimados com esse assédio incansável do nosso adversário, cujo propósito é assolar a nossa firmeza em Cristo; mas, vestidos de toda a armadura de Deus, com esses oito itens já apresentados, seremos mais que vencedores. E, finalmente, temos que recusar os convites do mundo secular, a fascinação da segurança social a qualquer preço, pois essa tendência pode prejudicar a nossa vida espiritual, uma perda cara demais. Para terminar este ponto com uma verdade positiva: os amados do Senhor são protegidos com um cuidado seguro, todo o dia, pois Ele é o nosso Salvador.

3.Um Cuidado Sereno: O amado do Senhor “descansará nos seus braços”. Cristo podia declarar: “As minhas  ovelhas ouvem a minha voz, elas me seguem. Eu lhes dou a vida eterna; jamais perecerão, e ninguém as arrebatará da minha mão”,  Jo. 10:27-28. Nesses dois versículos, observe como Jesus elogia o seu povo: As minhas ovelhas, quando ouvem a minha voz, me obedecem. Agora, veja como Cristo serena os seus seguidores. Cuido de cada um, e ninguém os tirará da minha proteção. De fato, o amado do Senhor  pode descansar em seus braços. E, para enfatizar com maior intensidade esse cuidado, Cristo acrescentou no versículo 29: “Aquilo que meu Pai me deu (essas ovelhas) é maior do que tudo (as ovelhas são os tesouros mais valiosos, por causa do preço da sua redenção, por isso) da mão do meu Pai ninguém pode arrebatar”. Com essas verdades, entendemos como os amados do Senhor podem “ descansar nos seus braços”.

Voltamos para meditar mais demoradamente sobre os dois versículos de João 10:27-28. O que essas ovelhas, que o Pai entregou a seu Filho, precisam ouvir para seguir a Jesus Cristo? Deus chama o seu povo mediante uma mensagem específica: “A palavra da verdade, o evangelho da sua salvação”, Ef. 1:13. Reconhecemos que esse chamado, ou “vocação eficaz provém unicamente da livre e especial graça de Deus, e não de qualquer coisa prevista no homem.” Qual é a reação da pessoa que recebe esse chamado eficaz? A resposta deve ser entendida desta maneira: “Nesta vocação, o homem é inteiramente passivo, até que, vivificado e renovado pelo Espírito Santo, fica habilitado a responder a ela e a receber a graça nela oferecida e comunicada.” Sem essa vivificação pelo Espírito Santo, o homem jamais seguiria a doce voz de Jesus. Mas a prova de que temos ouvido o evangelho eficaz e salvificamente é que vimos “mui livremente, sendo por isso dispostos pela sua graça”, Con. de Fé, Cap.10. E, agora, feitos “sábios para a salvação pela fé em Jesus Cristo”, o Salvador se dirige às suas ovelhas, dizendo: “E ninguém as arrebatará da minha mão”. Ouvimos o evangelho e passamos a seguir a Jesus Cristo, que fala ao nosso coração, dizendo: A sua salvação está garantida, porque ninguém pode te arrebatar da minha mão. Aqui, a mão simboliza seu grande poder, pois Ele “pode salvar totalmente os que por Ele se chegam a Deus, vivendo sempre a interceder por eles”, Hb 7:25. 

Os amados do Senhor são um povo que habitará seguro com Ele, “ todo o dia o Senhor o protegerá e ele descansará nos seus braços.” Aqui temos um cuidado seleto, seguro e sereno, o que mais poderíamos desejar?

Conclusão: O Apóstolo João comentou: “Vede que grande amor nos tem concedido o Pai, a ponto de sermos chamados filhos de Deus, e, de fato, somos filhos de Deus”, 1 Jo. 3:1. Sim, somos os amados do Senhor. Que cada um de nós possamos viver, conscientemente, como na presença de Deus, honrando o privilégio de sermos conhecidos como os amados do Senhor. Amém!



segunda-feira, 4 de setembro de 2017

O ESTUDANTE DE TEOLOGIA



Warfield (um conhecido teólogo) conclui seu estudo sobre a ideia de Teologia Sistemática com esta mui comovente declaração em relação ao estudante de teologia:

“Se é este o valor no uso da doutrina, o teólogo sistemático é, preeminentemente, um pregador do evangelho; e o propósito de seu trabalho é, obviamente, não apenas a organização lógica das verdades que pertencem à sua disciplina, mas, comover os homens, mediante o seu poder, para  amar a Deus de todo seu coração e o seu próximo como a si mesmo; escolher a sua vocação com o Salvador de suas almas; achar e apegar-se a Ele como uma preciosidade; e  reconhecer e entregar-se às mansas direções do Espírito Santo, o qual foi enviado por Ele (Jesus Cristo). Com uma verdade como esta, ele não se atreverá a  lidar com o seu estudo de uma maneira meramente fria e científica, antes, permitirá, com justiça e necessidade, a sua preciosidade e o seu  propósito prático a determinar a atitude pela  qual ele procede no seu estudo, e despertar um amor reverencial, sem o qual ele não pode compreender as suas relações recíprocas. Para isso, ele precisa ser infundido, o tempo todo, com uma apreciação inefável do valor da revelação que está diante dele, como a fonte de seu material, e com a postura pessoal de suas verdades individuais sobre a sua própria vida e coração; ele precisa ter uma experiência religiosa plena, rica e profunda das grandes doutrinas que ele estuda; ele precisa estar vivendo em plena comunhão com Deus, estar sempre descansando nos braços de seu Redentor, para sempre estar cheio das direções reveladas do Espírito Santo. O estudante de teologia sistemática precisa ter uma natureza religiosa, que é mui sensível, um coração totalmente consagrado e um derramamento do Espírito Santo sobre a sua vida, que o encherá com aquele discernimento, sem o qual, toda a sua capacidade é vã. Ele precisa ser, não apenas um estudante, não apenas um pensador, não apenas um sistematizador, não apenas um professor, antes, ele mesmo precisa ser semelhante àquele discípulo amado no sentido mais elevado, verdadeiro e santificado, enfim, um que teme a Deus.



Extraído de Teologia Sistemática, por Morton H. Smith, página 20

A PRONTIDÃO DO SENHOR




Rev. Ivan G. G. Ross

Leitura Bíblica: Salmo 23:1-6.

Introdução:  Embora tenhamos o costume de ouvir: “O Senhor é o meu pastor”, creio que é igualmente apropriado e bíblico dizer: “O Senhor é o meu Guia”. O Salmista, exaltando o Senhor, confessou: “Que este é Deus, o nosso Deus para sempre; Ele será o nosso Guia até a morte” (Sl. 48:14). E esta oração ao Senhor pode ser a nossa: “Guia-me na tua verdade e ensina-me, pois tu és o Deus da minha salvação” (Sl. 25:5). Agora, em vez de me considerar como uma ovelha, quero me apreciar como um peregrino, caminhando para a minha morada lá no céu. Creio que  o contexto do Salmo 23 permite vermos o Senhor como nosso Guia, que é sinônimo de Pastor, aquele que cuida de todas as nossas necessidades enquanto caminhamos pelo vale de Sidim (local de guerra, Gn. 14:8).

Notemos que o Salmo 23 é intensamente pessoal, eu e o meu Senhor. Por causa dessa intimidade, “não temerei mal nenhum, porque tu (o Senhor) estás comigo”. Embora existam milhões de pessoas invocando o nome do Senhor, temos que reconhecer a nossa singularidade, temos que lidar com o nosso Deus como indivíduos responsáveis. “E não há criatura que não seja manifesta na sua presença; pelo contrário, todas as coisas estão descobertas e patentes aos olhos daquele para quem temos de prestar contas” (Hb. 4:13).

1. A Provisão do Senhor, Vs. 1-2. Ao peregrinar para o lar celestial, quais são algumas das provisões incluídas nesta promessa preciosa: “Nada me faltará”? O Senhor não nos guia por caminhos que causam decepção, antes, Ele nos “faz repousar em pastos verdejantes”. Ele não nos guia por caminhos áridos, antes, Ele nos leva “para junto das águas de descanso”. Nessas duas figuras, que têm basicamente o mesmo sentido, percebemos o cuidado que o Senhor tem para com o seu povo. Ele consola os desanimados, ampara os fracos e é longânimo para com todos. “Faz forte ao cansado, multiplica as forças ao que não tem nenhum vigor. Os jovens se cansam e se fatigam e os moços de exaustos caem, mas os que esperam no Senhor renovam as suas forças, sobem com asas como águia, correm e não se cansam, caminham e não se fatigam” (Is. 40:29-31).

Visto que estamos caminhando para o lar celestial, fundamentamos a nossa vida sobre valores espirituais, aprendemos de Cristo e andamos com Ele. “Aquele que diz que permanece em Cristo, esse deve também andar assim como Ele andou” (1Jo. 2:6). Vamos meditar, por um momento, sobre o que Cristo fez por nós: “Comigo houve pobreza e vacuidade; porém, com Ele, riquezas e plenitudes. Por causa da minha pobreza, Ele se fez pobre; porém, agora, as suas riquezas me fizeram rico, para nunca mais ser pobre. Eu era, muitas vezes, cansado; porém, Ele é sempre forte. Havia um tempo quando o meu cansaço o fez cansado; mas, agora, a sua força me faz forte. Eu conhecia somente os lugares pesados e barulhentos; porém, Ele me fez conhecer os lugares lenimentos (suaves) e tranquilos. Havia um tempo quando Ele, para me buscar, entrou nesses lugares mundanos; e, agora, habito com Ele em pastos verdejantes e águas de descanso. Eu estava com fome e sede num lugar desértico; porém, nele, tenho todas as plenitudes da providência de Deus, onde ele refrigera a minha alma, dia após dia” (citado do livro: The Psalms, por W. E. Scroggie). Agora, o Salmista faz uma pergunta pertinente: “Quem mais tenho eu no céu? Não há outro em quem eu me comprazo na terra” (Sl. 73:25). “Digo ao Senhor: Tu és o meu Senhor; outro bem não possuo, senão a ti somente” (Sl. 16:2).  

2. A Proteção do Senhor, Vs 3:4. Ele me guia pelas veredas da justiça, por amor do seu nome”. Primeiro, Ele “refrigera” (restaura) a minha alma, colocando-a em plena comunhão espiritual consigo mesmo, para,  em segundo lugar, guiar-me pelas veredas da justiça. A conversão, ser nascido de novo, sempre precede qualquer direção espiritual em nossa vida. Ele não nos guia para alcançar preeminência nos negócios deste mundo, mas, sim, excelência na prática da justiça. E qual a razão dessa direção? Por amor do nome do Senhor. De certa forma, quando fomos chamados para glorificar a Deus pela prática da justiça, Ele envolveu a honra do seu nome em nosso procedimento. Mas Ele não nos deixou sozinhos para glorificar o seu nome, antes, Ele mesmo nos guia soberanamente, dando-nos as necessárias forças para agir de acordo com a sua vontade, por amor do seu nome. Assim, é Ele quem recebe toda glória e é a graça imerecida que há de completar a sua obra santificadora que Ele começou quando fomos “chamados para sermos de Jesus Cristo” (Rm. 1:6).

Na Bíblia, o verbo “andar” normalmente se refere ao nosso modo de viver, “andar nas trevas” (Jo. 8:12); “andar na luz” (Ef. 5:8). O Apóstolo falou sobre o andar negativo: “Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados, nos quais andaste outrora, segundo o curso deste mundo” (Ef. 2:2). E, agora, o andar positivo: “Rogo-vos, pois, eu, o prisioneiro no Senhor, que andeis dignos da vocação a que fostes chamados, com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor, esforçando-vos diligentemente por preservar a unidade do Espírito no vínculo da paz” (Ef. 4:1-3). Andar, portanto, sempre envolve direção; estamos andando de acordo com a vontade de Deus. A experiência nos ensina que, nesse andar, temos que enfrentar todo o tipo de circunstâncias, coisas agradáveis, bem como desagradáveis. Nunca saberemos o que pode acontecer no amanhã; contudo, para o cristão, o desconhecido não lhe dá medo, porque Cristo prometeu: “E eis que estou convosco todos os dias até a consumação do século” (Mt. 28:20).

Nesse contexto, o Salmista declarou: “Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal nenhum, porque tu estás comigo”. Esse “vale” se refere às circunstâncias aflitivas, e não necessariamente à morte física. Contudo, o Salmista emprega uma frase expressiva: “A sombra da morte”. Uma sombra, apesar de indicar uma presença, não é o objeto em si. Sentimos a possibilidade de um problema, porém, muitas vezes, ele não nos toca. Mas, por outro lado, especialmente no caso da morte, ou de um querido, ou da nossa própria, temos que ficar de sobreaviso.  

Então, como podemos nos preparar para qualquer eventualidade? A resposta do Salmista é que devemos confiar na prometida proteção, cuidado e presença consoladora do Senhor. “Não temerei mal nenhum, porque tu (o Senhor) estás comigo; o teu bordão e o teu cajado (os meios da graça: a Palavra de Deus e a oração), me consolam”. O Apóstolo acrescenta: “Pois tudo quanto, outrora, foi escrito para o nosso ensino, foi escrito, a fim de que, pela paciência e pela consolação das Escrituras tenhamos esperança” (Rm. 15:4). Tempos de grandes elevações espirituais devem ser moderados com a lembrança das palavras solenes do Apóstolo no exercício de seu ministério: “Fortalecendo a alma dos discípulos, exortando-os a permanecer firmes na fé; mostrando que, através de muitas tribulações, nos importa entrar no reino de Deus” (At. 14:22) Variadas circunstâncias, sim, mas em todas essas coisas, somos peregrinos vitoriosos por meio de Jesus Cristo (Rm. 8:37).

3. A Profusão do Senhor, Vs.5-6. O peregrino chegou ao término da sua carreira. Mas qual é a esperança do cristão, que andava no Espírito, evitando as concupiscências da carne? (Gl.5:16). Ele ouvirá: “Vinde, benditos de meu Pai! Entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo” (Mt. 25:34). Em seguida, será recepcionado de acordo com os costumes de hospedagem do Oriente. Uma mesa de delícias o aguardará; sua cabeça será ungida com óleo e receberá um cálice transbordante de “água das fontes da salvação” (Is. 12:3). Uma referência a esse costume pode ser encontrada em Lucas 7:36-50, onde o convidado receberia os sinais de boas vindas: ter os pés lavados; ter a cabeça ungida com óleo ou bálsamo; receber um ósculo. No caso relatado por Lucas, embora convidado por um fariseu, Jesus não foi honrado com esses sinais de boas vindas, porém, uma pecadora veio com um vaso de alabastro e derramou tudo sobre a pessoa de Jesus, demonstrando, publicamente, o seu muito amor, porque Ele perdoara os seus muitos pecados. O nosso peregrino não foi desprezado, como aconteceu com Jesus na casa do fariseu, antes, foi recebido com uma festa luxuosa, sua cabeça foi ungida com óleo, e na sua mão recebeu um cálice transbordante de toda sorte de bênçãos espirituais. É quase impossível imaginar o que “Deus tem preparado para aqueles que o amam” (1Co. 2:9).

Outro detalhe que enaltece o recebimento do peregrino: “Prepara-me uma mesa na presença dos meus adversários”. O povo de Deus tem os seus adversários, pessoas que têm prazer em demonstrar a sua rejeição a Deus e a seu povo. Mas, no Dia Final, esses zombadores serão obrigados, em seu tormento, a contemplar a bem-aventurança daqueles que amam e respeitam a Deus. Na parábola do Rico e do Mendigo, o rico via a felicidade de Lázaro. A circunstância dos dois é resumida com estas palavras ao rico: “Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens em tua vida, e Lázaro, igualmente, os males; agora, porém, aqui, ele está consolado; tu, em tormentos”. (Lc. 16:19-31). A lição que  Jesus está inculcando é esta: “Não vos enganeis: de  Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará” (Gl. 6:7).

Qual é a bem-aventurança do peregrino, já no céu? Com a sua cabeça ungida com óleo purificador, ele tem pensamentos de gratidão, confessando: “ O meu cálice transborda”. O nosso gozo é completo, (Jo. 15:11). Ligado inseparavelmente a esse gozo está a confiança de continuidade: “Bondade e misericórdia certamente me seguirão todos os dias da minha vida (na eternidade); e habitarei na Casa do Senhor para todo o sempre”. Davi previu essa bem-aventurança espiritual quando escreveu: “Como é preciosa, ó Deus, a tua benignidade! Por isso, os filhos dos homens se acolhem à sombra das tuas asas. Fartam-se da abundância da tua casa, e na torrente das tuas delícias lhes dás de beber. Pois em ti está o manancial da vida; na tua luz, vemos a luz” (Sl.36:7-9). 

Conclusão: No Salmo 23, temos uma fonte de riquezas, porém, elas têm que ser descobertas mediante um tempo dedicado a esse fim. O Senhor é o meu Pastor; mas Ele é também o meu guia, “Guiando-me na verdade do  Senhor e ensinando-me, pois Ele é o Deus da minha salvação, em quem eu espero todo o dia” (Sl. 25:5). Temos visto a Provisão do Senhor: “Nada me faltará”. Temos visto a Proteção do Senhor: “Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal nenhum, porque tu estás comigo”. E temos visto a Profusão do Senhor: “Preparas-me uma mesa ... o meu cálice transborda”. Terminamos citando o hino: “Peregrinando por sobre os montes, e pelos vales, sempre na luz! Cristo promete nunca deixar-me, eis-me convosco, disse Jesus. – Brilho Celeste! Brilho Celeste! Enche a minha alma, glória do céu! Aleluia! Sigo cantando, dando louvores, pois Cristo é meu!” (HNC 114).

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

ESTÁ CONSUMADO!


Rev. Ivan G. G. Ross

Leitura Bíblica: João 19:28-30

Introdução:  Vamos dar início à nossa reflexão, citando as palavras de um dos nossos hinos: “Ao contemplar a tua cruz e o que sofreste ali, Senhor, sei que não há, ó meu Jesus, um bem maior que o ter amor! – Quero somente me gloriar na tua cruz, meu Salvador, pois morreste em meu lugar! Teu, sempre teu serei, Senhor!” (HNC 262).

Nesse ato de contemplar a cruz de Jesus Cristo, escutaremos uma das sete palavras que Ele fez ouvir enquanto pendurado na cruz, “derramando a sua alma na morte” (Is. 53:12). E, no momento final de seu sofrimento, Ele deu um “grande brado”, anunciando a vitória sobre o pecado: “Está consumado!” (Mc. 15:37). O que foi consumado? A sua missão para redimir e salvar o seu povo foi completamente executada; e, com essa morte substitutiva, as profecias messiânicas no Antigo Testamento se cumpriram. Em diversas ocasiões, Cristo manifestou plena consciência de que veio para cumprir essas profecias. Oferecemos um exemplo. Quando Jesus foi traído, Ele podia ter facilmente escapado de seus inimigos, porém, em vez de fugir, Ele se entregou a eles, dizendo: “Acaso, pensas que não posso rogar a meu Pai, e ele me mandaria neste momento mais de doze legiões de anjos? Como, pois, se cumpririam as Escrituras, segundo as quais assim deve suceder? Naquele momento, disse Jesus às multidões: Saístes com espadas e porretes para prender-me, como a um salteador? Todos os dias, no templo, eu me assentava convosco ensinando, e não me prendestes. Tudo isto, porém, aconteceu para que se cumprissem as Escrituras dos profetas. Então, os discípulos todos, deixando-o, fugiram” (Mt. 26:53-56). Citamos mais uma profecia, para podermos sentir  que a obra de Cristo consistia em cumprir as profecias,  Daniel 9:24. “Setenta semanas (simbólicas), estão determinadas sobre o teu povo e sobre a tua santa cidade, para fazer cessar a transgressão, para dar fim aos pecados, para expiar a transgressão, para trazer a justiça eterna, para selar a visão e a profecia, e para ungir o Santo dos Santos.” Cristo veio para cumprir essas seis determinações.

1. “Para fazer cessar a transgressão”.  Transgressão significa desobediência à  lei revelada por Deus. Essa desobediência é característica de cada ser humano, na qual “todos nós andamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza, filhos da ira, como também os demais” (Ef. 2:2-3). Cristo veio “para fazer cessar a transgressão” e todos os atos de desobediência. Como  Cristo cumpriu essa profecia? Pelo Espírito, recebemos uma nova natureza; fomos regenerados pela obra expiatória de Jesus Cristo. “Todo aquele que é nascido de Deus, não vive na prática do pecado, pois o que permanece nele é a divina semente; ora, esse não pode viver pecando, porque é nascido de Deus” (1Jo.3:9). Nascidos de novo, vivemos unidos com Cristo, e, como ele morreu para o pecado, nós também morremos para o pecado; por isso, o Apóstolo podia dizer: “O pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei, e sim da graça” (Rm. 6:14). O Espírito Santo foi dado a fim de aplicar a eficácia da obra santificadora de Cristo em nós e direcionar-nos para o caminho em que devemos andar. Assim, temos a exortação: “Digo, porém, andai no Espírito e jamais satisfareis à concupiscência da carne” (Gl. 5:16). Graças a Deus, nós, que estamos em Cristo, podemos experimentar que, de fato, Cristo fez “cessar a transgressão”, rompendo aquele domínio e desobediência habitual.

2. “Para dar fim aos pecados”. Aqui, pecado descreve a nossa imperfeição, “carecemos da glória de Deus” (Rm. 3:23). Não conseguimos glorificá-lo como convém, algo está sempre faltando, por causa do pecado que ainda resta em nossa natureza. Em virtude dessa constante falha, precisamos, continuamente, a misericórdia e o perdão de Deus. Dar fim ao pecado é prendê-lo, como numa prisão de segurança máxima, para que nunca mais seja solto a fim de nos escravizar outra vez. A lembrança dos pecados da nossa mocidade podem nos causar muitas preocupações. Podem, porventura, prejudicar a segurança da nossa salvação? Por isso o Salmista clamava: “Não te lembres dos meus pecados da mocidade, nem das minhas transgressões. Lembra-te de mim, segundo a tua misericórdia, por causa da tua bondade, ó Senhor” (Sl. 25:7). Quando o Senhor perdoa os nossos pecados, eles são apagados e não mais lembrados, (Is. 43:25). Cristo disse: “Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres” (Jo. 8:36). Livres, porque Cristo deu fim aos nossos pecados. Ele cumpriu a profecia.

3. “Para expiar a iniquidade”. Iniquidade é a perversão da palavra de Deus. “A ira de Deus se revela do céu contra toda impiedade e perversão dos homens que detém a verdade pela injustiça” (Rm. 1:18). “Alguns que vos perturbam e querem perverter (deturpar, 2Pe. 3:16), o evangelho de Cristo” (Gl. 1:7). Apesar da seriedade da iniquidade, Deus oferece o seu perdão. Por isso, o salmista exclamou: “Bem-aventurados aqueles cujas iniquidades são perdoadas, e cujos pecados são cobertos” (Sl. 32:1). Foi Cristo que expiou os nossos pecados, levando-os para o esquecimento eterno, tão vividamente demonstrado no Dia da Expiação (Lv. 16:21-22). E, ao cumprir esse simbolismo, Cristo, “carregando ele mesmo em seu corpo, sobre o madeiro, os nossos pecados, para que nós, mortos para os pecados, vivamos para a justiça” (1Pe. 2:24). Como podemos experimentar a bem-aventurança dessa expiação? “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça” (1Jo. 1:7). Sempre lembramos que Cristo “tem sobre a terra autoridade para perdoar pecados” (Mt. 9:6; Sl. 130:4,7).

4. “Para trazer uma justiça eterna”. Essa justiça é aquela que Cristo alcançou para o seu povo, mediante a sua obediência imaculada à santa lei de Deus, uma justiça que é imputada a todos que crêem em Jesus Cristo, fazendo-nos aceitáveis diante do tribunal de Deus. “Justificados, pois, mediante a fé, temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo; por intermédio de quem obtivemos igualmente acesso, pela fé, a esta graça na qual estamos firmes; e gloriamo-nos na esperança da glória de Deus” (Rm. 5:1-2). Mas essa justiça não é apenas judicial, ela também se refere ao nosso procedimento. “E, assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas” (2Co. 5:17). Novamente, damos graças a Deus, porque Cristo cumpriu a profecia, e, de fato, trouxe uma justiça eterna para o seu povo.

5. “Para selar a visão e a profecia”. Cristo veio para ab-rogar todo o sistema das leis de sacrifícios usadas no culto do Antigo Testamento; colocou-as fora de uso pelo seu próprio sacrifício. “Jesus, porém, tendo oferecido para sempre, um único sacrifício pelos pecados, assentou-se à destra de Deus”, assim, confirmando a suficiência e a eficácia de seu sacrifício. “Porque com uma única oferta, aperfeiçoou para sempre quantos estão sendo santificados” (Hb. 10:12,14). Por isso, as repetidas referências sobre a necessidade “que o Cristo havia de padecer e ressuscitar dentre os mortos no terceiro dia” (Lc. 24:46; At. 3:18). “A seguir,  Jesus lhes disse ... importava que cumprisse tudo o que de mim está escrito na Lei de Moises, nos Profetas e nos Salmos” (Lc.24:44). Dessa maneira, Cristo selou “a visão e a profecia”. Nesse sentido, percebemos a total impossibilidade de sermos justificados e salvos pelas obras da lei; porque já foram ab-rogadas. “Quando se diz Nova, torna-se antiquada a primeira. Ora, aquilo que se torna antiquado e envelhecido está prestes a desaparecer” (Hb. 8:13). Novamente, damos graças a Deus por Cristo Jesus, porque, como o nosso Representante e Substituto, ele cumpriu a lei em nosso lugar.

6. “Para ungir o Santo dos Santos”. No Antigo Testamento, o Santo dos Santos simbolizava a presença de Deus. Era um lugar separado do povo leigo. Contudo, o sumo-sacerdote podia entrar, porém, somente uma vez por ano e sempre com o sangue de um animal sacrificado. Cristo veio para ungir o Santo dos Santos, para que o seu povo pudesse ter pleno acesso a essa  presença. “Quando, porém, veio Cristo como Sumo-sacerdote, ... não por meio de sangue de bodes e de bezerros, mas pelo seu próprio sangue, entrou no Santo dos Santos, uma vez por todas, tendo obtido eterna redenção”. Ele abriu a porta desse lugar sagrado, para que nós, o seu povo redimido, pudesse ter comunhão espiritual com Deus, (Hb. 9:11-12). Agora, veja o convite: “Tendo, pois, irmãos, intrepidez para entrar no Santo dos Santos, pelo sangue de Jesus, ... aproximemo-nos, em plena certeza de fé, tendo o coração purificado de má consciência”, (Hb.10:19-22). Cristo fez referência ao privilégio de entrar na presença de Deus, dizendo: “Na casa de meu Pai há muitas moradas. Se assim não fora, eu vo-lo teria dito. Pois vou preparar-vos lugar. E, quando eu for e vos preparar lugar, voltarei e vos receberei para mim mesmo, para que onde eu estou, estejais vós também” (Jo. 14:2-3).

Nos seis itens da profecia de Daniel, percebemos a perfeição da obra redentora de Jesus Cristo. Em Tito, capítulo terceiro, temos um resumo deste feito: “Quando, porém, se manifestou a benignidade de Deus, nosso Salvador, e o seu amor para com todos, não por obras de justiça praticadas por nós, mas segundo a sua misericórdia, ele nos salvou mediante o lavar regenerador e renovador do Espírito Santo, que derramou sobre nós ricamente, por meio de Jesus Cristo, nosso Salvador; a fim de que, justificados por graça, nos tornemos seus herdeiros, segundo a esperança da vida eterna” (Tt. 3:4-7).   Sim, para o nosso consolo espiritual, vamos lembrar que, quando “Cristo nos amou e a si mesmo se entregou por nós, como oferta e sacrifício a Deus, em aroma suave”, Ele cumpriu  todas as promessas proféticas relacionadas à nossa redenção, (Ef. 5:2). “Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou e enviou o seu Filho como propiciação pelos nossos pecados” (1Jo. 4:10). Como o nosso Propiciador, Cristo nos encobre com a sua perfeita justiça, para que não sejamos expostos à ira de Deus por causa das nossas muitas desobediências.

Vamos voltar um pouco e meditar sobre as circunstâncias das profecias messiânicas do profeta Daniel. Começamos no início de Gênesis. Quando Adão e Eva pecaram, Deus não os rejeitou definitivamente, antes, Ele se dirigiu a Satanás, o provocador da queda dos nossos pais, dizendo: “Porei inimizade entre ti e a mulher; entre a tua descendência (os seguidores de Satanás) e o seu descendente (o prometido Salvador). Este (o prometido Salvador) te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar” ( o que aconteceu durante os sofrimentos de Cristo), (Gn. 3:15). Ele seria reconhecido, não por uma declaração pública, mas, sim, mediante o cumprimento de profecias específicas, como, por exemplo, o seu nascimento virginal: “Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho e lhe chamará Emanuel” (Is. 7:14). A sua Divindade: “Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, o governo está sobre os seus ombros; o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz” (Is. 9:6). São nomes que pertencem, exclusivamente, à Divindade. E o local de seu nascimento, uma informação especificamente importante para os judeus: “Em Belém de Judá” foi a resposta espontânea dos “principais sacerdotes e escribas do povo” (Mq 5:2; Mt. 2:4-6). E a razão principal da sua vinda: “Para dar a sua vida em resgate por muitos”, (Mc. 10:45).  Em Isaías 53, temos a descrição e o propósito da sua morte: “Mas ele foi transpassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados” (Is. 53:5). E, terminamos ouvindo como Cristo se sentiu diante da sua missão: “Porventura, não convinha que o Cristo padecesse e entrasse na sua glória? E, começando por Moises, discorrendo por todos os Profetas, expunha-lhes  o que a seu respeito contava em todas as Escrituras” (Lc. 24:26). E, quanto à sua vida/morte, disse: “Ninguém a tira de mim; pelo contrário, eu espontaneamente a dou. Tenho autoridade para a entregar e também para reavê-la. Este mandato recebi de meu Pai” (Jo. 10:18).

Conclusão: A vida cristã é um ato de fé, uma  confiança sincera na infalibilidade das Escrituras Sagradas, as quais nos dão tudo o que é necessário para termos a certeza da nossa salvação. Quando Cristo deu o grande brado: “Está consumado”, Ele estava anunciando, para que o mundo inteiro pudesse ouvir e crer: o preço da salvação foi pago, não por ouro ou prata, mas, sim, pelo seu sangue precioso. Creia, e seja salvo.


terça-feira, 15 de agosto de 2017

FÉ SALVADORA




Rev. Ivan G. G. Ross

Leitura Bíblica: Hebreus 1:1-7

Introdução:  Vamos meditar sobre a doutrina da nossa fé. Por que julgo necessário abordar esse assunto? Porque Cristo disse: “Contudo, quando vier o Filho do homem, achará, porventura, fé na terra?” (Lc. 18:8). Evidentemente, chegando perto da Segunda Vinda de Cristo, a fé salvadora em Jesus Cristo será algo bem insólito. Qual a razão desse acontecimento? Novamente, Cristo explica: “E, por se multiplicar a iniquidade, o amor se esfriará de quase todos. Aquele, porém, que perseverar até o fim, esse será salvo” (Mt. 24:12-13). Qual é a causa desse esfriamento? É o aumento assustador da iniquidade, mas não apenas isso, parece que, apesar das nossas orações, Deus não está respondendo. A iniquidade continua aumentando cada vez mais; assim nasce o desânimo. O Apóstolo descreveu essa situação, dizendo: “Sabe, porém, isto: nos últimos dias,  sobrevirão tempos difíceis, pois os homens serão egoístas, avarentos, jactanciosos, arrogantes, blasfemadores, desobedientes aos pais, ingratos, irreverentes, desafeiçoados, implacáveis, caluniadores, sem domínio de si, cruéis, inimigos do bem, traidores, atrevidos,  enfatuados, mais amigos dos prazeres que amigos de Deus, tendo forma de piedade, negando-lhe, entretanto,  o poder. Foge também destes” (2 Tm. 3:1-5). O domínio desses pecados, em nossos dias, é uma realidade inegável. Mas a Bíblia ensina: “Todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé” (1Jo. 5:4). Uma das atividades principais de Satanás é minar a fé do povo de Deus. A tática é bem sutil: em vez de negar a fé, ele procura redirecioná-la. Em vez de olhar firmemente para o nosso Senhor e Salvador, ele encoraja a pessoa a usar a sua fé para cuidar da sua vida física, buscando a cura das enfermidades; ou para aumentar a sua situação financeira; enfim, o mais importante é o bem estar nesta vida. Com essa preocupação, Cristo, e a vida eterna ficam praticamente excluídos. Qual é o fim principal da nossa fé? “A salvação da nossa alma”, pela fé em Jesus Cristo, (Pe. 1:6-9). Sabendo que toda a nossa esperança espiritual depende da nossa fé, Satanás não se cansa de tentar desviá-la, por isso, o alerta é: “Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar, resisti-lhe firmes na fé” (1Pe. 5:8-9). A chave é “Permanecei firmes na fé” (1Co. 16:13).

Agora, vamos definir a fé verdadeira, a fé que nos dá o poder para contemplar o invisível: “Visto que andamos por fé e não pelo que vemos” (1Co. 5:7). Vamos imaginar que estamos olhando dentro da negridão do espaço vazio e silencioso. De repente, ouvimos uma voz; o nosso coração se enche com uma certeza: algo há de acontecer. A voz dá uma ordem: “Haja luz”, e, imediatamente, as trevas desaparecem. “Pela fé, entendemos que foi o universo formado pela palavra de Deus de maneira que o visível veio a existir  das coisas que não aparecem”. O primeiro versículo define a natureza da fé: “Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam”. Quais são as “coisas que se esperam”?  As revelações que Deus tem falado e prometido. E, sabendo que o que a palavra que Deus fala não pode se descumprir, temos a convicção de fatos (que Deus tem falado), “fatos que não se vêem”.  Não há necessidade de buscar uma definição melhor. Cremos na veracidade de tudo o que  Deus tem falado, pois ele não pode mentir, (Tt 1:2). As promessas que Deus tem nos dado são todas registradas nas Escrituras Sagradas, por isso, podemos confiar em cada uma. “Porque quantas são as promessas de Deus, tantas têm nele o sim; porquanto também por Ele é o amém para glória de Deus, por nosso intermédio”, isto é, os ministros de Deus glorificam a Deus quando anunciam a sua confiança na infalibilidade dessas promessas, (2Co. 1:30). Mas, quais são as pessoas que podem viver essa fé? Somente aquelas que são nascidas de novo.  O homem natural, não regenerado, não pode e nem pensa nas possibilidades da fé, porque os seus desejos estão concentrados em agradar a sua própria carne. A nossa espiritualidade começa somente depois de termos sido regenerados e dotados com os dons concedidos pelo Espírito Santo. A fé é o dom principal, pois sem o uso dela, “é impossível agradar a Deus”. Vamos usar duas ilustrações a fim de descobrir como a fé foi praticada pelos heróis de Hebreus, capítulo onze.

A Primeira Ilustração é de Noé, V.7. Ele ouviu a palavra de Deus, avisando-o da destruição vindoura de todos os seres vivos por causa da corrupção maliciosa dos homens. Qual foi a reação de Noé ao ouvir essa revelação? Ele creu e temeu, porque soube que o mundo inteiro seria atingido, inclusive ele e sua família.  Mas Deus foi misericordioso e revelou-lhe o meio pelo qual ele e a sua família seriam salvos. Deus lhe ordenou para aparelhar uma arca para a salvação de sua família. Noé obedeceu e, imediatamente, começou a construção, “pela qual condenou o mundo (que zombava da sua fé na palavra de Deus) e se tornou herdeiro da justiça”. Notemos três passos que descrevem a sua fé: Ele ouviu a palavra de Deus dando-lhe instruções; creu nela; e agiu de acordo com a orientação recebida. Assim, ele e a sua família, pela fé, foram salvos daquela destruição.

A Segunda ilustração é de Abraão. “Pela fé, Abraão, quando chamado, obedeceu, a fim de ir para um lugar que devia receber por herança; e partiu sem saber aonde ia”. Notemos, novamente, os mesmos três passos que sempre caracterizam a verdadeira fé: Abraão ouviu a ordem da palavra de Deus; creu na veracidade da promessa; e agiu de acordo com as instruções. Ele não ficou decepcionado. A fé sempre se manifesta pela obediência. Pela fé, Abraão, quando chamado, obedeceu.

No Novo Testamento, a fé obedece aos mesmos três passos: “Depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa, o qual é o penhor da nossa herança, até ao resgate da sua propriedade, em louvor da sua glória” (Ef. 1:13-14). Para nos tornarmos nascidos de novo, temos que ouvir uma mensagem específica: “A palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação”; depois de ouvir, temos que crer no que ouvimos, não apenas de maneira intelectual, mas, sim, “com o coração” (Rm. 10:10); depois de crer, temos que agir, isto é: entregar nossa vida aos cuidados de Jesus Cristo. Como Ele mesmo disse: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma” (Mt. 11:28-29). E, para ratificar esses três passos, ouvir, crer e agir, recebemos o dom do Espírito Santo, o qual “testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus” (Rm. 8:16).

Fé e crer são quase sinônimos. Quando cremos, reconhecemos a veracidade da palavra ouvida; fé significa que vemos a substância da palavra indicada, embora seja invisível. Simeão recebeu a promessa de que “não passaria pela morte antes de ver o Cristo do Senhor”.  Ele creu. E, movido pelo Espírito, agiu pela fé, foi ao templo, e lá teve o privilégio de tomar nos braços o recém-nascido Salvador, e disse: “Agora, Senhor, podes despedir em paz o teu servo, segundo a tua palavra, porque os meus olhos já viram a tua salvação” (Lc. 2:25-30). Cremos que Jesus Cristo nos deu a promessa da vida eterna e, pela fé, já estamos vislumbrando as glórias de estarmos com Ele para sempre.

Existem muitas realidades, embora invisíveis, mas que aceitamos pela fé, porque são revelações dadas por Deus, para a nossa instrução e consolo espiritual. “Pela fé, entendemos que foi o universo formado pela palavra de Deus, de maneira que o visível veio a existir das coisas que não aparecem”. No início, não existia nenhuma coisa material, senão uma vastidão ilimitada do nada. Então, como surgiu o universo, que é material? As especulações humanas são incontáveis, porém, sempre baseadas em algo existente. Contudo, no início, não havia nada, nem uma forma de gás, portanto, tais hipóteses devem ser equívocas.  Por que o homem natural insiste nesses estudos? Porque ele tenta explicar tudo sem a necessidade de admitir a existência de um Deus poderoso e criador.

Esse ponto nos leva a considerar outra verdade que aceitamos pela fé, embora seja invisível aos olhos humanos. “De fato, sem fé, é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que Ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam”. Quanto à existência de Deus, o Apóstolo ensinou: “Porquanto o que de Deus se pode conhecer é manifestado entre os homens, porque Deus lhes manifestou” (Rm. 1:19). As obras da criação declaram a sua existência, por isso, os homens são indesculpáveis diante de Deus no Dia do julgamento, se não crerem e testemunharem da sua realidade.

Outra verdade que devemos aceitar pela fé é a auto-revelação de Deus. Ele tem prazer em manifestar-se ao homem, visto que é “galardoador dos que o buscam”. Que tipo de galardão podemos esperar da mão de Deus? Talvez depende do que nos motivou a buscá-lo. Se nós orarmos: “Ensina-me a fazer a tua vontade, pois tu és o meu Deus; guia-me o teu bom Espírito por terreno plano” (Sl. 143:10). O galardão será uma resposta favorável. Ele mesmo dos dará a revelação da sua vontade. Essa foi a experiência do Apóstolo Paulo, (At. 22:14-15; Gl. 1:11-12). Sempre pedimos baseado no que está revelado nas Escrituras Sagradas. Pela fé, podemos confessar: “De manhã, Senhor, ouves a minha voz e as minhas súplicas” (Sl. 5:3). Pela fé, acreditamos que o nosso Deus está sempre acessível e pronto para ouvir a nossa oração, apoiado pelo ensino da Bíblia, porque Ele é “galardoador dos que o buscam”.

Para algumas pessoas, o maior desafio à sua fé é crer que “Deus é amor” (1Jo.4:6). Sem anular os demais atributos divinos, cremos que Ele nos “atrai com cordas humanas, com laços de amor” (Os.11:4). O seu amor é eterno, (Jr.31:3). Mas, o incrédulo intercepta: Se Deus é amor, por que Ele deixa tanta selvageria acontecer contra inocentes? Embora não tenhamos respostas para tudo, cremos que Deus é soberano e que Ele é servido em deixar certas coisas negativas acontecerem para nos convencer da crueldade do pecado que existe no coração de cada  ser humano. Temos que sentir um verdadeiro nojo do pecado, não apenas o que está em outrem, mas também, presente em nossa própria vida (Ez.6:9). Pela FÉ, cremos que o Senhor tem domínio absoluto sobre tudo o que acontece neste mundo. Cristo,  falando sobre o domínio de Deus, disse: “Não se vendem cinco pardais por dois asses? Entretanto, nenhum deles está em esquecimento diante de Deus. Até os cabelos da vossa cabeça estão todos contados. Não temais! Bem mais valeis do que muitos pardais” (Lc. 12:6-7). Com essas palavras, reafirmamos a nossa fé, confessando ao Senhor: “O teu reino é de todos os  séculos e o teu domínio subsiste por todas as gerações. O Senhor é fiel em todas as suas palavras e santo em todas as suas obras” (Sl. 145:13). Mas, para o povo de Deus, a sua fé afirma: “Sabemos que todas as coisas  cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito” (Rm. 8:28). Apesar de não entendermos, no momento, tudo o  que acontece em nossa vida, Cristo disse: “O que eu  faço não o sabes agora; compreendê-lo-ás  depois” (Jo. 13:7). Talvez José não entendeu a razão de ser  tratado com tanta injustiça, porém, quando  Faraó lhe disse: “Visto que Deus te fez saber tudo isto, ninguém há tão ajuizado e sábio como tu. Administrarás a minha casa, e à tua palavra obedecerá todo o meu povo; somente no trono eu serei  maior que tu"; então, José entendeu o motivo de tudo o que lhe sobreviera desde a traição de seus irmãos, (Gn. 41:39-40). Mais tarde, José pôde perdoar os seus irmãos, dizendo-lhes: “Eu sou José, vosso irmão, a quem vendestes para o Egito. Agora, pois, não vos entristeçais, nem irriteis contra vós mesmos por me haverdes vendido para aqui; porque, para  conservação da vida, Deus me enviou adiante de vós” (Gn.45:3-4; 50:19-21). Assim, podemos descansar na soberania divina.


Para terminar, queremos demonstrar como Deus ama. “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo. 3:16). Esse é um apelo universal e irrestrito para toda a humanidade, porém, a condição é única: temos que crer que foi Deus que tomou a iniciativa para nos salvar, enviando o seu próprio Filho para “buscar e salvar o perdido” (Lc. 19:10). “Nisto se manifestou o amor de Deus em nós: em haver Deus enviado o seu Filho unigênito ao mundo, para vivermos por meio dele” (em total dependência dele, não apenas nesta vida, mas, também, para aquela que teremos depois da nossa partida deste mundo). Nisto consiste o  amor: não em que nós temos amado a Deus, mas em que  Ele nos amou e enviou o seu Filho como propiciação pelos nossos pecados” (1Jo. 4:9-10). Todos nós somos pecadores e, se comparecermos em tal estado perante o tribunal, a  sentença da morte (uma eternidade sem a presença consoladora de Deus) será irrevogável. Pela fé, cremos que Deus abriu, em Cristo, a oportunidade de salvação, porque, somente nele, “temos a redenção, pelo seu sangue, a remissão dos pecados, segundo a riqueza da sua graça” (Ef. 1:7). Pela fé, cremos que Cristo foi enviado “como propiciação pelos nossos pecados”, o único que pode encobrir o nosso pecado, para que nunca mais se levante contra nós para nos condenar. “Filhinhos, agora permanecei em Cristo, para que quando Ele se manifestar, tenhamos confiança e dele não nos afastemos envergonhados na sua vinda” (1Jo. 2:28). Com essas verdades gravadas em nossa mente, somos exortados: “Mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo (aquele que encobre o nosso pecado) e nada disponhais para a carne no tocante às suas concupiscências” (Rm. 13:14). O nosso desejo para cada um de vocês, é “crescei na graça e no conhecimento do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. A Ele seja a glória tanto agora como no dia eterno” (2Pe. 3:18). Amém.

domingo, 16 de julho de 2017

FILIPE E O EUNUCO




Leitura Bíblica: Atos 8:26-40

Introdução:  Vamos recordar, por um momento, o que aconteceu naquele Dia de Pentecostes, quando o Espírito Santo foi derramado, de acordo com a profecia do profeta Joel, (At. 2:16). Enquanto o Ap. Pedro explicava as Escrituras, o Espírito Santo estava agindo poderosamente, convencendo os seus ouvintes de seus pecados, (At. 2:37). Naquele dia, quase três mil pessoas se converteram e passaram a crer que o conhecido Jesus, crucificado, morto e ressuscitado, foi, de fato, o prometido Cristo. Qual foi a disposição desses recém-convertidos? “Louvando a Deus e contando com a simpatia de todo o povo. Enquanto isso, acrescentava-lhes o Senhor dia a dia os que iam sendo salvos” (At. 2:47).

Mas, dessa cena de alegria no Senhor, houve, de repente, uma mudança dramática. Os inimigos do povo de Deus reagiam com uma violência assustadora. “Naquele dia, levantou-se grande perseguição contra a Igreja em Jerusalém (onde o Espírito Santo fora derramado, dando início à necessária obra de regeneração entre os povos); e todos, exceto os apóstolos, foram dispersos pelas regiões da Judéia e Samaria” (At. 8:1).  

Devemos fazer uma pergunta séria: Por que o Senhor permitiu essa perseguição que causou tanto sofrimento aos recém-convertidos? É um recurso que Deus usou a fim de ensinar ao seu povo lições essenciais. Ele fez Israel passar por necessidades para sondar seus corações: “Recordar-te-ás de todo o caminho pelo qual o Senhor, teu Deus, te guiou no deserto estes quarenta anos, para te humilhar, para te provar, para saber o que estava no teu coração, se guardarias ou não os seus mandamentos. Ele te humilhou, e te deixou ter fome, e te sustentou com o maná, que tu não conhecias, nem teus pais o conheciam, para te dar a entender que não só de pão viverá o homem, mas de tudo o que procede da boca do Senhor viverá o homem” (Dt. 8:2-3).  Agora, podemos fazer uma segunda pergunta importante: Qual foi a lição que a Igreja primitiva tinha que aprender? Ela, em sua grande alegria e conforto espiritual em Jerusalém, estava se esquecendo das últimas palavras de Cristo: “Sereis as minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até os confins da terra” (At. 1:8). Por causa dessa perseguição, a Igreja se achou nas “regiões da Judéia e Samaria ... pregando a palavra” (At.8:1,4). Por causa dessa dispersão, também, Felipe recebeu a oportunidade abençoada para evangelizar o eunuco e vê-lo convertido e “seguindo o seu caminho, cheio de júbilo”. Por que esse júbilo? Porque, agora, tinha entendido o sentido das Escrituras e tinha crido, de todo o coração, que “Jesus Cristo é o Filho de Deus” (At. 8:37).  Vamos prosseguir e entender as circunstâncias desse encontro de Felipe com o eunuco.

1. A Disponibilidade do Eunuco.  Quem era esse homem que Deus separou para revelar-lhe o seu amor? Ele era “alto oficial de Candace, rainha dos etíopes, superintendente de todo o seu tesouro, que viera adorar em Jerusalém”. O que mais podemos dizer? Por ser etíope, ele era negro e desprezado pelos judeus; porém, não por Deus. Esse eunuco foi o cumprimento de uma das mais preciosas profecias do Antigo Testamento; uma verdade que a Igreja tinha que reconhecer e aceitar. Na reunião especial dos apóstolos e presbíteros em Jerusalém: “Havendo grande debate, Pedro tomou a palavra e lhes disse: Irmãos, vós sabeis que, desde há muito, Deus me escolheu dentre vós para que, por meu intermédio, ouvissem os gentios a palavra do evangelho e cressem. Ora, Deus, que conhece os corações, lhes deu testemunho, concedendo o Espírito Santo a eles, como também a nós (os judeus) nos concedera. E não estabeleceu distinção alguma entre nós (os judeus) e eles (os gentios), purificando-lhes pela fé o coração. Agora, pois, por que tentais a Deus, pondo sobre a cerviz dos discípulos (a necessidade da circuncisão) um jugo que nem nossos pais puderam suportar, nem nós? Mas cremos que fomos salvos pela graça do Senhor Jesus, como também aqueles o foram” (At. 15:7-11). Como é bom entender: “Dessarte, não pode haver judeu, nem grego; nem escravo, nem liberto; nem homem, nem mulher; porque todos vós sois um em Cristo Jesus. E, se sois de Cristo, também sois descendentes de Abraão e herdeiros segundo a promessa” (Gl. 3:28-29).

Como é que esse eunuco, um gentio, chegou a ter interesse no culto ao Deus verdadeiro? Não sabemos nada sobre a vida anterior desse homem, mas a Bíblia nos oferece a melhor e a mais segura resposta. Deus, em toda a sua soberania, responde: “Fui achado pelos que não me procuravam, revelei-me aos que não perguntavam por mim” (Rm. 10:20). De uma maneira misteriosa, o Espírito Santo começou a despertar a consciência desse eunuco. Como oficial de uma país, talvez tivesse oportunidade para viajar e visitar outros países à procura de negócios. Nessas andanças, ele conheceu outras culturas e religiões, inclusive a dos judeus e o seu modo diferente de praticar a sua crença. Pela ação do Espírito Santo, o seu interesse foi despertado. Não sabemos nada sobre o processo da sua experiência espiritual, mas ele reconheceu a verdade do Deus cultuado pelos judeus e começou a “adorar em Jerusalém”. O próximo passo do Espírito Santo foi colocar uma porção das Escrituras Sagradas em suas mãos. O Espírito Santo lhe deu o Livro de Isaías, e ele começou a ler por si mesmo a Palavra de Deus. Encontramos com ele voltando para o seu país, “assentando no carro, vinha lendo o profeta Isaías”. Esse é sempre o costume do Espírito Santo, que vivifica o interessado para ouvir e ler as Escrituras, porque “a fé vem pela pregação, e a pregação pela palavra de Cristo” (Rm. 10:17). As pessoas em “Beréia eram mais nobres que os Tessalônicos; pois receberam a palavra com toda a avidez, examinando as Escrituras todos os dias para ver se as coisas eram, de fato, assim. Com isso, muitos deles creram, mulheres gregas de alta posição e não poucos homens” (At. 17:11-12). Por isso, o Espírito Santo insiste em colocar a Palavra de Deus nas mãos daqueles que estão recebendo o seu ministério vivificador. Agora, estamos prontos para ouvir mais sobre o poder da Palavra de Deus na vida do eunuco. Ele estava com dificuldades para entender a parte que estava lendo; mas o Espírito Santo lhe enviou um homem que o ajudou a entender a palavra profética.

2. A Disponibilidade de Filipe. Filipe foi um dos sete homens escolhidos para servir a Deus como diácono na Igreja em Jerusalém. Esses homens tinham uma boa reputação entre o povo e foram escolhidos como cristãos cheios do Espírito Santo e de sabedoria, (At. 6:3). Agora, por causa da perseguição, todos fugiram, deixando para trás os seus bens, a fim de se salvar, pois esse encalço já fechara muitos fiéis nas prisões, enquanto outros tinham sido assassinados, (At. 26:10). Embora a perseguição possa causar muito sofrimento, ela não tem poder para prejudicar a fé daqueles que estão “arraigados e alicerçados” em Jesus Cristo; e, como prova, vemos Filipe, agora em Samaria, ainda cheio do Espírito Santo, pregando o Evangelho com um poder extraordinário: “Pois os espíritos imundos de muitas pessoas saíram gritando em alta voz; e muitos paralíticos e coxos foram curados. E houve grande alegria naquela cidade” (At. 8:7-8).

Enquanto estava realizando um trabalho intenso, onde o Senhor estava visitando muitas pessoas com bênçãos especiais, “um anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: Dispõe-te e vai para o lado sul, no caminho que desce de Jerusalém a Gaza; este se acha deserto. Ele se levantou e foi”. Para esse homem de Deus, não foi difícil deixar um trabalho movimentado e abençoado, porque ele tinha uma prioridade em sua vida: obediência a Deus, sem se preocupar com circunstâncias. Não sabemos quais foram os pensamentos íntimos desse servo de Deus, indo para um lugar desértico; deixando as multidões aos cuidados de Deus. Filipe tinha a mesma disposição do patriarca: “Pela fé, Abraão, quando chamado, obedeceu, a fim de ir para um lugar que devia receber por herança; e partiu sem saber aonde ia” (Hb. 11:8). A Bíblia dá muita ênfase sobre a importância da obediência. Por sermos regenerados pelo Espírito Santo, somos reconhecidos como “filhos da obediência” (1Pe. 1:14). Por causa de seu compromisso para obedecer a Deus em tudo, Pedro e os demais apóstolos recusaram obedecer à determinação do Sinédrio, o tribunal mais importante em Israel, confessando: “Antes, importa obedecer a Deus do que aos homens” (At. 5:29). E, qual foi o preço desse ato de desobediência à lei? Eles foram açoitados, as autoridades repetindo a advertência para não falarem mais em nome do Senhor Jesus Cristo. Mas, será que eles ficaram intimidados, depois de serem açoitados? Não, de forma alguma. “E eles se retiraram do Sinédrio regozijando-se por terem sido considerados dignos de sofrer afrontas por esse Nome. E, todos os dias, no templo e de casa em casa, não cessavam de ensinar e pregar Jesus Cristo” (At. 5:40-42). Somente depois de obedecer a Deus é que entenderemos os seus propósitos de dar ordens a seus servos. Filipe obedeceu à ordem e foi para o lugar indicado, e, lá, encontrou com o eunuco, sedento para ouvir a explicação do texto que estava lendo. Cremos que Filipe foi o homem mais indicado para essa missão, pois estava cheio do Espírito Santo e de sabedoria.

3. A Disponibilidade do Eleito. Filipe, em obediência à palavra do Senhor, logo se achou no caminho indicado pelo anjo, e, evidentemente, no mesmo momento, o carro do eunuco apareceu, andando a passo fácil, porque Filipe não apenas podia acompanhar o carro, mas, também, podia ouvir o que o eunuco estava lendo. Talvez Filipe tivesse concluído: Agora estou entendendo por quê o Senhor me enviou a esse lugar. É mais uma oportunidade para pregar Jesus Cristo e este crucificado.

Novamente, seguindo a direção do Espírito Santo, Filipe ouviu a ordem: “Aproxima-te desse carro e acompanha-o”. E o texto continua descrevendo a obediência desse servo de Deus: “Correndo Filipe, ouviu-o ler o profeta Isaías e perguntou: Compreendes o que vens lendo?” E, com uma certa perplexidade, o eunuco respondeu: “Como poderei entender se alguém não me explicar?”. Agora, vamos dar uma pausa por um momento a fim de refletir sobre a soberania de Deus e como Ele tem acesso à consciência e à vontade de qualquer pessoa. Por que o eunuco, um alto oficial de uma rainha, convidou um estranho que, por acaso, encontrou numa estrada solitária, “a subir e a sentar-se junto a ele?” O Espírito Santo estava agindo, fazendo com que o eunuco entendesse que Filipe era um servo de Deus enviado por Ele. E, com essa convicção, estava pronto para ouvir a explicação de Filipe.
“Ora, a passagem da Escritura que estava lendo era esta: Foi levado como ovelha ao matadouro; e, como um cordeiro mudo perante o seu tosquiador, assim ele não abriu a boca. Na sua humilhação, lhe negaram justiça; quem lhe poderá descrever a geração? Porque da terra a sua vida é tirada”. Eis a dificuldade do eunuco: “Peço-te que me expliques a quem se refere o profeta. Fala de si mesmo ou de algum outro? Que momento propício para pregar o evangelho de Jesus Cristo e este crucificado!

“Então, Felipe explicou; e começando por esta passagem da Escritura, anunciou-lhe Jesus”. Não temos o registro da sua explicação; porém, seguindo o texto de Isaías, podemos sugerir três temas: A) Filipe identificou o Sofredor no texto como Jesus Cristo, O filho de Deus, “que é o resplendor da glória e a expressão exata de seu Ser” (Hb. 1:3). Assim, Jesus Cristo foi Deus, “manifestado na carne”, (1Tm. 3:16). “Emanuel, que quer dizer: Deus conosco”, (Mt. 1:23). B) Filipe explicou o sofrimento de Cristo em termos de sacrifício, como oferta a Deus, (Ef. 5:2). “Pois também Cristo morreu, uma única vez, pelos pecados, o justo pelos injustos, para conduzir-nos a Deus; morto, sim, na carne, mas vivificado no espírito”, isto é, ressuscitado dentro os mortos, (1Pe. 3:18). C) Filipe enfatizou a necessidade de crer nessas verdades, testemunhar delas, e consagrar a sua vida à obediência. Cristo disse: “Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado por meu pai, e eu também o amarei e me manifestarei a ele” (Jo. 14:21).

A certa altura, o eunuco sentiu a necessidade de ser identificado com o povo de Deus, por isso perguntou: “Eis aqui água; que impede que seja eu batizado? Filipe respondeu: É licito, se crês de todo o coração. E, respondendo ele, disse: Creio que Jesus Cristo é o filho de Deus”. E, logo depois do ato do batismo, “o Espírito do Senhor arrebatou Filipe, não vendo mais o eunuco; e este foi seguindo o seu caminho, cheio de júbilo”. Não sabemos mais a respeito do eunuco, mas quanto ao seu futuro e permanência na fé, confessamos junto com o Ap. Paulo: “Estou plenamente certo de que aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até o Dia de Cristo Jesus” (Fp.1:6). 

Conclusão: A história do eunuco está sendo repetida constantemente na vida de muitas outras pessoas. De uma maneira misteriosa, o Espírito Santo desperta a consciência de seu povo escolhido para buscar, através das Escrituras, a verdade que saciará a sua necessidade espiritual. E, se tiver alguma dificuldade para entender o plano da salvação, o mesmo Espírito Santo providenciará uma pessoa fiel para lhe conduzir à certeza da salvação pela fé em Jesus Cristo. Devemos orar para que mais pessoas sejam atraídas a Jesus Cristo, pois, “nele temos a redenção pelo seu sangue, a remissão dos pecados, segundo a riqueza da sua graça”. Amém.

terça-feira, 20 de junho de 2017

LOUVOR PELA SALVAÇÃO


Rev. Ivan G. G. Ross

Leitura Bíblica: Isaías 12:1-6

Introdução: O capítulo doze de Isaías fala “das fontes da salvação”. Mas, o que significa salvação? Salvação é livramento de um estado de perigo ou de opressão. Israel foi escravizado e oprimido pelos egípcios, mas Deus viu a aflição de seu povo e determinou efetuar neles um grande salvamento. E, desfrutando dessa salvação, o povo rompeu em louvor e gratidão a Deus. No cântico de Moisés, ouviram-se estas palavras: “O Senhor é a minha força e o meu cântico; ele me foi por salvação; este é o meu Deus; portanto, eu o louvarei; ele é o Deus de meu pai (Abraão); por isso o exaltarei” (Ex. 15:2). Salvação é sempre motivo de ações de graças. Israel experimentou muitos salvamentos, livramentos de seus opressores, que são exemplos práticos da riqueza da nossa salvação espiritual, um livramento do poder escravizador do pecado.

O Ap. Paulo ensinou que as Escrituras Sagradas podem nos tornar “sábios para a salvação pela fé em Jesus Cristo” (2Tm. 3:15). E o Ap. Pedro enfatizou: “E não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos” (At. 4:12). Os judeus tentaram se salvar pela prática das obras da lei. Mas, jamais alcançariam a salvação por esforços próprios, porque somos pecadores e incapazes de prestar a devida obediência. Além disso, a Bíblia ensina “que ninguém será justificado (declarado inocente) diante de Deus por obras da lei, em razão de que pela lei vem o pleno conhecimento do pecado” (Rm. 3:20). Portanto, sabendo que a lei somente nos dá conhecimento da nossa culpabilidade, temos que descobrir o que a Bíblia diz sobre o caminho certo que devemos seguir para sermos salvos das consequências do nosso pecado; a saber: “penalidade de eterna destruição, banidos da face do Senhor e da glória do seu poder”, para conceder uma outra oportunidade, (2Ts. 1:9).

Desde o pecado de Adão e Eva, toda a sua descendência tem precisado de socorro e salvação, porque todos nascem com a pena de morte pairando sobre a sua vida. Portanto, essa realidade tem que ser reconhecida e temida. O evangelho nos oferece o único meio pelo qual podemos ser salvos: exclusivamente pela fé em Jesus Cristo e em tudo o que Ele fez por nós quando deu a sua vida em resgate por muitos. A ordem agora é: “Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados, a fim de que, da presença do Senhor, venham tempos de refrigério” (At. 3:19-20). Importa que adotemos esse meio, pois fé em Jesus Cristo é a nossa única esperança. Agora, para nós, que cremos no Filho de Deus, e que estamos experimentando as bem-aventuranças do perdão de todos os nossos pecados, podemos sentir a razão do louvor que está registrado em Isaías, capítulo doze.

1. A Maravilha da Salvação, Vs.1-2. A referência “Naquele dia” é de quando o Espírito Santo aplicou a salvação, adquirida por Jesus Cristo, à nossa pessoa. E, com o reconhecimento dessa dádiva, somos incentivados a orar: “Graças te dou, ó Senhor, porque, ainda que te iraste contra mim, a tua ira se retirou, e tu me consolas”. Essa “ira” que sentimos pesando sobre o coração foi tomada pelo Espírito Santo para nos “convencer do pecado, da justiça e do juízo” (Jo. 16:8). E, compungidos em nosso coração, clamamos em desespero: “Que faremos?”. E, logo veio a resposta: “Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado (purificando-se pelo abandono do pecado) em nome de Jesus Cristo, para a remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo” (At. 2:38). Uma vez convertido, a ira de Deus se retira, e o Espírito Santo começa a nos consolar com palavras que comunicam a bem-aventurança do perdão de nossos pecados e da justificação diante de Deus, (Rm. 4:6-8).

O versículo dois expressa a alegria daquele que é salvo pela fé em Jesus Cristo. Louvamos a Deus quando testemunhamos tudo o que Ele fez por nós e o que Ele faz por nós, e como confessamos a nossa confiança nele. “Eis que Deus é a minha salvação”. Ele age em nosso favor, cuida de nós e supre todas as nossas necessidades. E, tendo a experiência dessa salvação, declaramos a nossa disposição diária: “Confiarei e não temerei, porque o Senhor Deus é a minha força e o meu cântico”. Todos nós temos que aceitar desafios, pois eles são parte da vida cristã. Para nós, que cremos em Jesus Cristo, unidos com Ele, talvez, o primeiro desafio é aceitar e praticar o que está implícito em nossa união com Cristo. Temos que considerar e reconhecer que, com ele, morremos para o pecado, de maneira que, agora, o pecado não terá domínio sobre nós. A nossa antiga servidão ao pecado recebeu a voz de libertação. Agora, somos livres para nos oferecer a Deus, como ressuscitados dentre os mortos, e os nossos membros a Deus, como instrumentos de justiça, (Rm. 6:6,12,13). Cantemos ao Senhor: “Ele se tornou a minha salvação”. A multidão dos redimidos no céu exclamou em grande voz, dizendo: “Ao nosso Deus, que se assenta no trono, e ao Cordeiro, pertence a salvação” (Ap. 7:10). Nada da parte dos redimidos, tudo foi da graça de Deus. A Ele, pois, seja toda a glória, com ações de graças!

2. A Matéria da Salvação, Vs. 3-4. “Vós, com alegria, tirareis água das fontes da salvação”. Jesus Cristo é a fonte da nossa salvação. Como uma fonte de água, podemos chegar a ele e beber à vontade, porque Ele mesmo nos convida: “Se alguém tem sede, venha a mim e beba” (Jo.7:37). O que sacia a nossa sede espiritual é conhecer mais e mais, e descobrir o que Cristo pode nos oferecer; nele achar uma abundância inesgotável, e tudo sem preço: “exultamos com alegria indizível e cheia de glória” (1Pe. 1:8). Podemos sentir a matéria que vai satisfazer a nossa sede espiritual nas sete grandes “eu sou” que Cristo assumiu para si mesmo: Ele é “o pão da vida”, (Jo.6:35). Aquele que vem a Cristo, pela fé, experimentará uma satisfação espiritual que o encherá de plena realização. Como Cristo prometeu: “O que vem a mim jamais terá fome”. Ele é “a luz do mundo”, (Jo. 8:12). Aquele que segue a Cristo não andará nas trevas da perdição, antes, terá a luz que o guiará para a vida eterna. O salmista confessou: “Lâmpada para os meus pés é a tua palavra e luz para os meus caminhos” (Sl. 119:105). Ele é “a porta”, (Jo. 10:9). Nele, temos acesso ao “trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna” (Hb. 4:17). Essa porta é única, por isso, o salmista disse: “Esta (a Pessoa de Jesus) é a porta do Senhor, por ela entrarão os justos” (Sl. 118:20). Ele é “o bom pastor”, (Jo. 10:9). Ele é o pastor por excelência que cuida de nós durante a nossa caminhada rumo ao céu. “Ainda que eu ande pelo vale da morte (uma aflição ou teste fora do comum, como no caso de Jó), não temerei mal nenhum, porque tu estás comigo; o teu bordão (instrumento usado para guiar e defender) e o teu cajado (instrumento usado para dar equilíbrio no andar), me consolam” (Sl. 23:4). Os dois instrumentos davam ao pastor confiança no exercício de seu trabalho. A Cristo pertence o poder para cuidar de cada um de seus redimidos. Ele é “a ressurreição”, (Jo. 11:25). Todos nós podemos aguardar a morte e sepultamento, mas este não é o fim da nossa existência, seremos ressuscitados dentre os mortos, a fim de estarmos com o Senhor para todo o sempre, (1Ts. 4:16-17). Ele é “o caminho”, (Jo. 14:6). Ele não apenas nos mostra o caminho para as moradas celestiais, antes, Ele mesmo é o caminho; portanto, andando em plena harmonia com Ele, chegaremos, com confiança, ao lugar preparado para aqueles que o amam. Jesus, como precursor, abriu o caminho, tirando dele todo e qualquer obstáculo, para que nós pudéssemos andar nele com toda segurança. Ele é “a videira”, (Jo. 15:5). Cristo é como a videira, e nós, o seu povo, somos os seus ramos. Os ramos são totalmente dependentes da seiva que recebem do tronco, pois, sem essa ligação, não teríamos como viver. Cristo acrescentou: “Sem mim, nada podeis fazer”. Temos que alimentar e cultivar essa união vital com Cristo, pois a nossa vida espiritual depende dessa comunicação. Com alegria ficamos agarrados a Ele, em plena dependência da sua plenitude!

Mas, o texto continua descrevendo aqueles que receberam esta salvação: “Direis naquele dia: Dai graças ao Senhor, invocai o seu nome, tornai manifestos os seus feitos entre os povos, relembrai que é excelso o seu nome”. Observamos os quatro verbos imperativos. 1º “Dai graças”. Temos que ter um motivo para dar graças com entendimento, por exemplo: “Converteste meu pranto em folguedos, tiraste o meu pano de saco e me cingiste de alegria, para que meu espírito te cante louvores e não se cale” (Sl. 30:11-12). 2º “Invocai o seu nome”. Clamar com urgência. Eis a promessa: “Todo aquele que invocar o nome do Senhor (de acordo com os princípios bíblicos), será salvo” (Rm. 10:13). 3º “Tornai manifestos os seus feitos entre os povos”. Temos o dever de testemunhar dos feitos que o Senhor realizou a fim de nos dar a salvação: “O Filho de Deus me amou e a si mesmo se entregou por mim”, assim, nele “temos a redenção, pelo seu sangue, a remissão dos pecados, segundo a riqueza da sua graça” (Gl. 2:20; Ef. 1:7). Testemunhar é evangelizar. Devemos imitar os primeiros cristãos. “Entrementes, os que foram dispersos iam por toda parte pregando a palavra” (At. 8:4). 4º “Relembrai que é excelso o seu nome”. O nome do Senhor deve ser  invocado com santo temor. “Eu, pela riqueza da tua misericórdia, entrarei na tua casa e me prostrarei diante do seu santo templo no teu temor” (Sl. 5:7). É uma determinação, semelhante ao que Josué disse: “Eu e a minha casa serviremos ao Senhor” (Js. 24:15). “O temor do Senhor é o princípio da sabedoria, e o conhecimento do Santo é prudência” (Pv. 9:10).  

3. A Magnitude da Salvação, Vs. 5-6. “Cantai ao Senhor, porque fez coisas grandiosas”. Entre as obras grandiosas, temos a criação, que proclama a glória de Deus, (Sl. 19:1). Contudo, a obra maior é a redenção e a salvação de pecadores. As obras da criação foram realizadas por meio de uma ordem de poder, “pela palavra de Deus” (Hb. 11:3). Mas a redenção de pecadores foi realizada por um princípio bem mais envolvente. “Porque Deus amou ao mundo (cheio de pecadores) de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê, não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo. 3:16). “Nisto se manifestou o amor de Deus em nós: em haver Deus enviado o seu Filho unigênito ao mundo, para vivermos por meio dele” (1Jo. 4:9). “Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco, pelo fato de ter Cristo morrido por nós (como o nosso substituto), sendo nós ainda pecadores” (Rm. 5:8). A redenção do pecador sempre envolve o pagamento de um preço. E qual foi o preço que Cristo pagou a fim de redimir o seu povo? O preço foi extraído dele, mediante o seu sofrimento e morte substitutiva. No Getsêmani, o seu sofrimento foi tão intenso “que o suor se tornou como gotas de sangue caindo sobre a terra” (Lc. 22:44).  Do Getsêmani, Ele foi conduzido ao Sinédrio e a Pôncio Pilatos, de quem  recebeu todo tipo de injustiça, açoites, zombarias e, finalmente, a crucificação entre dois criminosos. Esse foi o preço da nossa redenção. O Apóstolo nos faz lembrar: “Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus” (1Co. 6:20). “Saiba-se isto em toda a terra”. Somos testemunhas de Jesus Cristo, seus representantes aqui na terra, e o nosso assunto principal é Jesus Cristo e este crucificado, (1Co. 2:2).

Por sermos salvos mediante a fé em Jesus Cristo e na sua obra redentora, podemos praticar a exortação final: “Exulta e jubila, ó habitantes de Sião, porque grande é o Santo de Israel no meio de ti”. Ele é grande em seu amor para conosco e inescrutável em seus caminhos. E, apesar de ser tão grandioso, Ele nos entregou o seu Filho, para que nele fôssemos redimidos, perdoados e feitos seus herdeiros, (Rm. 8:17). Por essa razão podemos sentir uma exultação, com júbilo, e uma “alegria indizível e cheia de glória, obtendo o fim da nossa fé: a salvação da nossa alma” (1Pe. 1:8-9).

Conclusão: Um dos assuntos mais preciosos que deve ocupar a nossa mente é a salvação que temos mediante a fé em Jesus Cristo. Isaías doze é um cântico de louvor pela salvação de seu povo.


Vimos a Maravilha da Salvação, uma dádiva inteiramente gratuita para os que crêem. Vimos a Matéria da Salvação. Resumidamente, Cristo é a plenitude dessa salvação. Tendo Cristo em nossa vida, temos a vida eterna. Vimos a Magnitude da Salvação. Jesus Cristo, “aquele que não conheceu o pecado, Deus o Pai o fez pecado por nós, para que, nele, fôssemos feitos justiça de Deus” (2Co. 5:21). Cristo, como o nosso substituto, carregou o nosso pecado e foi maltratado, como se fosse Ele o próprio pecador, sofrendo e morrendo em nosso lugar, para que nós pudéssemos exultar e jubilar, sabendo que, em Cristo Jesus, temos a redenção, pelo seu sangue, a remissão dos pecados, segundo a riqueza da  sua graça. Agora, a única coisa que Deus requer de nós para sermos salvos é fé em Jesus Cristo e em tudo o que Ele fez por nós. Que seja assim!